Co-criando a vida :)

“O que eu espero para o dia de hoje?” – Assim iniciou-se mais um dia de Estaleiro, mais um dia nessa jornada incrível, de navegar por mares desconhecidos por todos os companheiros de viagem. Na hora exata me vieram à mente duas palavrinhas: conhecer e conectar, palavras estas, que foram impiedosamente expostas por todos quase que numa unanimidade, num desejo muito intenso e íntimo de partilhar o mesmo sentimento.

E foi assim que nos (re)conhecemos uns nos outros pela segunda vez.

O exercício solicitado nos fez abrir as porta e as janelas da nossa vida, da nossa alma e viajamos todos juntos no tempo. No mesmo tempo, na mesma vida e foi nesse dia que descobrímos que estamos todos aqui para fazer parte desta mesma vida. Deste mesmo tempo. Mas de várias histórias.

Só pude fechar os olhos e deixar que todas as lembranças, que todos o sonhos guardados na infância, viessem para o meu futuro hoje em forma de lágrimas, fazendo meu coração sorrir. Compartilhamos nossas vivências, nossos desejos, medos, sonhos, nos compartilhamos e nos encontramos uns nos outros, apenas para afirmar ainda mais a certeza de que esses marújos, são na verdade uma única família de amigos, que partilha e partilhou de quase as mesmas coisas num mesmo passado, presente e quiçá, futuro.

Hoje distribuímos a liderança das nossas vidas para os outros e entendemos, que a nossa história é construída e co-criada em conjunto, que os nossos desejos são realizados em conjunto, que podemos nos apoiar, abraçar, chorar, rir e até mesmo cantar. As escolhas, os erros, os medos e as conquistas de cada um se complementam e se transformam no que podemos chamar de história de um todo. De todos nós.

Está sendo um aprendizado incrível poder compartilhar, conhecer e explorar todos vocês desta forma tão íntima, e profunda.

Chegamos a mais um fim de tarde e o saldo de hoje é uma “gratidão indizível”. É a certeza de se sentir acolhido e seguro num grupo que partilha do mesmo propósito, que quer construir um barco de ninguém, um barco de todos nós; onde o combustível chave vai ser e sempre será o coração.

Muito obrigada por tudo.